sábado, 15 de junho de 2013

Never Give Up

3º Temporada - 33º Capítulo

                


[Falei: Eu sei disso. Ele virá me buscar hoje e vocês virão comigo até o carro para conhecê-lo.]

A Lavínia não é muito fã dele na carreira musical, mas gosta como pessoa pelas coisas que eu falo. O Gustavo adora o estilo música dele, e o Caio não gosta porque a namorada dele, que é a Isadora adora o estilo do Justin, então digamos que ele tem ciúmes. Já a Ana Laura não suporta ele como cantor, mas nunca reclamou pra mim. Tudo isso é bom e ruim ao mesmo tempo, porque eles não são meus amigos por interesse e já demonstraram várias vezes até porque quando saímos, detestam sair nas fotos comigo. Só o Gustavo que adora. É bem provável que o Justin tenha ciúmes dele, mas isso é divertido as vezes.
Entramos na nossa sala e sentei-me em uma das últimas carteiras.
O professor entrou na sala e disse que nossa próxima aula seria no laboratório para mostrar uns experimentos legais.
Após o fim da quarta aula, Justin me mandou um sms.

“Bom dia minha vida. Acordei agora e estou aqui na sala com a sua mãe. Que horas eu vou te buscar?”

“Bom dia amor. Seu preguiçoso. São quase 11h! Pode vir umas 14h20. Eu saio essa hora”.

Amanda me mandou bom dia e disse que estava animada com a faculdade dela, que estava fazendo em São Paulo mesmo e queria me ver em breve. Mesmo ela estando em outro estado, nós conversamos todos os dias e ela sempre me conta tudo o que acontece com ela. Assim como eu. Descobri que o Justin conversa com ela e as vezes com a Jasmine sobre nós. Eu gosto que eles sejam bem amigos, mas é melhor virtualmente do que pessoalmente. Assim que passou o último intervalo, Gustavo sentou-se ao meu lado na sala de cinema e disse: Estou com a impressão de que o seu Bieber não irá com a minha cara.
Ri e falei curiosa: Por que acha isso?
Ele arqueou as sobrancelhas e disse: Ah, porque eu sou gato, sempre digo que você é linda e sou bem simpático. E pelo que você fala ele é um pouco ciumento.
Falei sarcástica: Nossa, ainda bem que você é modesto.-ri- Ele é possessivo, é diferente. Mas relaxa. Seja você mesmo. 
Eu estava contando os minutos para que todas essas aulas acabassem, e por um milagre o sinal da última aula bateu. Fui uma das últimas a deixar a sala e recebi um sms do Justin:

“Já estou aqui no carro amor”.

“Com qual carro você veio?”

“Na verdade estou com o seu. Tenho a cópia da chave e sua mãe me trouxe.”

Como assim ele tem a cópia da minha chave e eu não sabia?
Puxei o Gustavo por um braço e a Lavínia pelo outro e saímos pela portaria. Cheguei no estacionamento e meu carro estava lá. Justin estava sentado no banco do motorista com uma touca preta e uma regata azul.
Os outros vieram atrás de mim, e assim que cheguei até ele, dei-lhe um selinho atravessando a janela e falei entre dentes: Desce do carro. 
Ele assentiu e desceu. Encarou todos os meus amigos e Ana Laura disse: Tem um problema. Eu não falo inglês fluente.
Ri e falei: O Justin aprendeu o português. Ele é quase fluente.
Ele gabou-se e disse em português: O que você está dizendo amor? Eu sou fluente. 
Falei apontando para cada um deles: Esse é o Caio, e a Isadora, namorada dele. A Ana Laura ama você, a Lavínia foi minha primeira amiga aqui e o Gustavo também. 
Justin cumprimentou todos e disse em um português meio enrolado: É um prazer conhecer vocês. A Seu nome vive falando do quanto ela gosta dos amigos da faculdade. 
Coloquei minha bolsa no carro e ele segurou minha mão.
Falei: Eles já sabem da gravidez.
Justin falava e olhava para o Gustavo como se o conhecesse, ou como se estivesse observando-o. Eu conheço esse olhar dele, e não é uma coisa boa.
Ele abraçou as meninas e disse: Vocês são muito bonitas.
Apertei sua mão com força e ele riu. Isadora abraçou o Caio e disse: Está vendo ali? São paparazzi nos fotografando. Acho melhor irmos embora.
Justin disse: Eles não dão sossego. 
Caio disse: Até mais cara. 
Eles foram embora e a Lavínia disse: Eu também preciso ir. Vou deixar a Ana na casa dela.
Ana Laura estava com os olhos fixados no Justin e não dizia nada.
Gustavo me abraçou e disse: Até amanhã gata. -olhou para o Justin- Espero te ver mais vezes por aqui. Parabéns pela criança. 
Justin deu um sorriso forçado e logo entramos no carro.
Assim que todos foram embora, falei: Vamos sair logo daqui. Detesto esses fotógrafos logo agora. 
Ele apoiou com uma das mãos no volante e disse olhando pra mim: Gata? É assim que esse babaca te chama? Ele falou em inglês, para que eu entendesse perfeitamente.
Falei: Ele me chama assim, mas é em tom de brincadeira amor. 
Ele disse: Você gostaria se eu chamasse as minhas amigas de gatas?
Falei: Depende das amigas.
Falei: A sua irmã. Você gostaria? É claro que não. Então eu não quero que ele te chame assim. Você tem nome e não precisa ser chamada de gata por um garoto qualquer. 
Revirei os olhos e falei: Tá Justin, é óbvio que eu não gostaria, mas são situações diferentes. Ele é um ótimo amigo.
Ele disse: E eu sou um ótimo namorado. Nem eu te chamo de gata, porque já é óbvio que você é. Ele não tem esse direito.
Ajeitei sua touca e falei: Chega amor. Eu já entendi que você está mordido de ciúmes, mas ele é meu amigo.
Justin ligou o carro e disse: Ele pode ser seu amigo, mas você não é nem um pouco inocente e sabe que se não tivesse namorado ele tentaria te pegar fácil.
Falei: Agora eu sou fácil? Justin, você é meu namorado e ele sabe disso. É claro que ele não se interessa por mim. Agora chega de frescura e vamos logo almoçar.
Ele olhou-me sério e disse: Não, você entendeu o que eu quis dizer. Sério Seu nome? Eu não quero você tão próxima dele. 
Falei: Ele é meu amigo Justin. Por que você está mau-humorado? Poxa, eu pensei que você iria acordar todo animado e feliz.
Ele disse tranquilo: Eu estou muito feliz e bem humorado. Eu só não gostei desse cara.
Suspirei alto e falei: Não é o que parece.
Peguei meus óculos de sol que estavam no porta-luvas e coloquei-o. Justin arrumou seu colar no pescoço e disse: Impossível que eu estivesse mau-humorado logo hoje.
Falei: Mas você está chato. Não gosto quando fica assim.
Ele disse: Corrigindo, você não gosta quando eu fico com ciúmes.
Falei: Não é isso. É claro que eu gosto, mas você é exagerado.
Viramos na rua do restaurante e ele disse: Ah, então você gosta? Não é uma coisa legal.
Falei: Claro que é. Significa que você se importa.
Ele disse olhando-me: Mas não é óbvio que eu me importo?
Desviei o olhar dele e falei: É, sim. Mas mesmo assim. Ah, chega desse assunto.
Justin estacionou o carro quase em frente ao restaurante e disse: Nós vamos almoçar aqui e você já me deixa no aeroporto. Tá?
Assenti e falei: Sim. Sua mochila está aqui?
Ele disse: Está no banco de trás do carro. 
Peguei meu celular e ele deu-me um selinho, seguido por um beijo e disse: Me ajude. Os paparazzi não existem, certo?
Ergui as sobrancelhas e concordei com ele: Relaxa amor.
É assim que tem que ser. Se o Justin continuar se irritando com eles, dará a atenção que eles querem.
Desci do carro e ele fez o mesmo. Olhei para trás e haviam alguns fotógrafos nos seguindo.
Justin segurou minha mão e apoiei com a outra em seu braço. Ele deu-me um selinho e disse: Quanto tempo teremos que esperar para voltar para casa?
Dei os ombros e falei: Creio que em duas semanas.
Ele sorriu e disse: Isso é sério? Meu Deus, já está aí.
Assenti e ele pediu uma mesa para dois. Segui-o que me puxava pela mão e fomos até a nossa mesa.  
Sentei-me primeiro e ele disse: Que dia é o seu próximo ultrassom?
Falei: Na quarta. Você quer ir junto?
Ele assentiu e disse enquanto olhava o cardápio: Mas é claro. Eu não fui em nenhum até agora. Isso é uma injustiça. 
Falei: Não foi porque não quis.
Ele disse: Mentira, porque você nunca me diz quando tem que ir.
Falei: Tudo bem, então você vem aqui na quarta e iremos ao médico juntos.
Justin acariciou minha mão e falou: Sabe, eu quero tanto voltar para casa logo. Eu até chamei o Za para passar uns dias lá comigo e com o Ryan enquanto estamos aqui no Brasil.
Falei: Tudo depende de tempo. Falta pouco amor, muito pouco. E ele veio?
Justin disse: Deve chegar hoje ou amanhã. 
Olhei séria para ele e falei: Só espero que você não fique bêbado todas as noites a ponto de não saber o que está fazendo.
Ele revirou os olhos e disse: Você fala como se eu sempre fizesse isso. Fica tranquila Seu apelido, eu sou responsável. 
Assenti na ironia e ele fez os pedidos ao garçom, que ficou nos olhando talvez um tanto surpreso. Justin sorriu simpático e ele se afastou.
Falei: Você não vai tirar essa touca?
Ele deu os ombros e disse: Por que eu tiraria? 
Tirei meu celular do bolso e falei: Porque estamos em um restaurante e está calor.
Ele disse: Não está tão calor assim. A maioria das pessoas estão com roupas compridas. Eu gosto de ficar de touca.
Falei: Não tire-a então.
Entrei nas minhas redes sociais e respondi as mentions de pessoas que eu seguia. Havia uma do Harry e outra da Carly:

 “Tantoooo tempo que não falo com a @seunome que ela já deve ter se esquecido de mim”.

“Quando você volta para a Califórnia?? Precisamos nos ver logo, não? @seunome”

Olhei para o Justin discretamente e falei: Escuta isso. -li o tweet- 
Ele disse curioso: Quem te mandou?
Falei sorridente: O Harry! Não nos falamos desde o meu aniversário.
Ele lambeu os lábios e disse: Nossa, que divertido. Por que você não aproveita e liga pra ele? Já que ele não fala com você há meses.
Encarei-o e falei: Porque eu prefiro almoçar em paz com o meu namorado. Será que é possível?
Ele sorriu e disse: Você venceu.
Logo nossas refeições foram servidas e ele disse: Larga esse celular.
Falei: Calma. Guarda o seu também.
Ele disse: Eu nem estava mexendo nele.
Eu não tinha percebido e dei bronca á toa. Sorri sem graça e falei: Opa.
Ele riu e começamos o nosso almoço em silêncio. Justin me contou como foi a premiação em Los Angeles, disse que encontrou vários amigos de tempos e todos queriam saber se era verdade sobre a minha gravidez.
Falei: Quando te perguntam sobre a gravidez, o que você diz? 
Ele deu os ombros e disse: Ah, as vezes eu não respondo, outras eu digo que não é da conta da pessoa ou pergunto de onde tiraram isso.
Falei: Já está meio na cara, não acha?
Ele disse olhando-me: Mais ou menos, mas enquanto pudermos manter isso em sigilo será melhor.
Falei: Sim, só por mais uns dias. Eu não quero a mídia te pressionando durante a minha gestação porque seria irritante.
Ele passou sua mão por cima da minha e disse: Não precisa pensar nisso agora, dê tempo ao tempo.
Falei: Eu sei disso, mas ao mesmo tempo eu queria que as pessoas soubessem.
Ele disse: Relaxa amor, logo todos irão saber. Mas pro enquanto aproveita que é uma coisa nossa e faça o que tiver que fazer.
Assenti e falei: Vou pensar mais sobre isso.
Estava terminando meu almoço e ele disse: Eu não deveria te falar isso, mas enquanto eu estava em Los Angeles, fiz algumas compras para a nossa filha.
Soltei os ombros e falei: O que você comprou? 
Ele disse: Várias roupas que eu achei que eram fofas para ela, alguns acessórios.
Falei: Justin, mas nós ainda não sabemos se será menino ou menina.
Justin suspirou e disse: Mas você mesma me disse, que se fosse menino você provavelmente passaria mal com frequência, que foi o que aconteceu na outra...gravidez.
Falei: Eu sei disso, mas você não pode se precipitar. E se for Brian? Ele não gostaria de usar rosa.
Justin riu e disse: Você fala como se a Allissa só fosse usar rosa.
Falei: Que Allissa? Eu estou falando do Brian.
Ele disse: É Allissa.
Falei: E se for Brian?
Ele disse: Eu irei amá-lo do mesmo jeito. Mas tenho certeza que será Allissa.
Falei: Eu sou garota e tenho minhas intuições. Acho que será Brian. 
Ele disse: Mas eu não acho. E achar é diferente de ter intuição.
Falei: Como você é chato. Não pode focar comprando roupas femininas sem saber.
Justin chamou o garçom para fechar a conta, e assim que ele se afastou, disse: Você quer apostar?
Pronto, quando ele fala de aposta é porque o assunto fica sério. Justin é mais do que competitivo e não aceita perder.
Desviei o olhar dele e falei: Claro.
Nos levantamos e ele disse: Vamos sair daqui primeiro.
Assenti e ele segurou minha mão, passou mais a frente e logo saímos do restaurante. Haviam cerca de 10 fotógrafos tentando se aproximar e Justin colocou o óculos, para que os flashes não o atrapalhassem e eu nem cheguei a tirar o meu. 
Falei com a voz baixa: Qual o intuito da aposta?
Ele sorriu pensativo e disse: Eu tenho certeza que será Allissa, e você acha que será Brian.
Concordei e falei: Continue.
Ele disse: Então temos que apostar algo. Como por exemplo, se eu vencer a aposta faremos algo que eu quero, mas que você não goste, caso contrário você escolhe alguma coisa.
Falei: Mas não é certo essa aposta. Estamos falando de uma criança.
Entrei no carro e ele disse ainda com a porta aberta: Corrigindo, estamos apostando os nomes, não a Allissa.
Falei: É Brian.
Ele suspirou e disse antes de ligar o carro: Já sei. Se for Allissa, você fará tudo o que eu quiser durante uma semana, porque já estaremos em casa, mas tem que ser sem reclamar.
Falei: Não sou sua empregada para fazer tudo o que você quer. Escolha outra coisa.
Ele negou com a cabeça e disse: Não, quem tem que escolher sou eu. Ou isso, ou eu vou poder sair durante um mês várias noites para ir à boates com os meus amigos.
Falei: Um mês é muito Justin.
Ele disse: Não é não. Você vive me dizendo que um mês passa super rápido.
Falei olhando para ele: Mas é completamente diferente.
Ele disse: É nada. Já fiz minha escolha. Agora é a sua vez.
Falei: Mas qual é a sua escolha? Sair por um mês?
Ele assentiu e disse: Sim, com direito a bebida. 
Falei: Quando você bebe com os amigos fica insuportável. Eu não gosto.
Ele disse: Será só durante um mês, e não serão todas as noites.
Falei olhando-o torto: E quando será isso?
Ele disse sorridente: Nossa, mas então eu já ganhei?
Sorri sarcástica e falei: Você não vai ganhar meu amor. Estou apenas supondo. 
Ele disse: Será assim que voltarmos para a Califórnia. E a sua parte? O que vai fazer?
Mordi o lábio pensativa e falei: Não sei. Pare em alguma sorveteria enquanto eu penso e te levarei ao aeroporto.
Ele disse: Está muito acostumada a tomar sorvete Seu apelido. Não é saudável.
Liguei o carro para ele e falei: Tá, sem lição de moral. Vamos logo.
Ele ligou o ar e o rádio e disse: Você não pode ficar comendo só porcarias. 
Falei: Sorvete não é porcaria. Se você quiser eu até peço de morango, porque é fruta.
Ele disse: Menos mal. 
Falei risonha: Mentira, porque eu estou enjoada de morango. Não suporto nem o cheiro.
Ele disse: Ah, que legal. Então eu não vou parar na sorveteria.
Falei: Tudo bem. Eu te deixo no aeroporto e passo comprar um monte de doces no mercado.
Ele bufou e disse: Azar o seu.
Ele virou a rua e falei: Está indo para a sorveteria?
Ele assentiu e disse: Sim.
Ri e falei: Sabia.
Justin estacionou e falei: Eu vou ficar aqui no carro pensando sobre a aposta.
Ele disse: Sua preguiçosa. Vou comprar se abacaxi pra você.
Neguei com a cabeça e falei: Não. Tem que ter pelo menos cobertura de chocolate.
Ele revirou os olhos e disse: Eu não sei como você pode gostar tanto de chocolate. É enjoativo. 
Falei: Eu poderia te responder, mas eu estou super bem humorada, então vai logo.
Ele riu e saiu do carro todo sorridente. Continuei ouvindo o cara do rádio falar, até que começasse a tocar alguma música. 
Nossa, eu nem cheguei a falar com a Megan hoje. Como será que ela voltou embora?

“Megan, você já está em casa?”

“Sim. A Dani me trouxe. Que horas você chega?”

“Daqui uma hora, eu acho”.

Mandei uma mensagem para a Carly e outra para o Fredo. Queria tanto poder vê-los hoje para conversar, mas pelo jeito terei que esperar mais alguns dias.
Achei melhor não comentar com o Justin, mas seria melhor se eu ficasse aqui até uns 6 meses, porque eu ainda acho que é perigoso pegar voo com 4 meses, já que ele quer voltar daqui umas duas semanas. Eu tenho medo de que isso possa prejudicar minha gestação. Mas é melhor esperar o consentimento da doutora para tomar alguma decisão.
E sobre a aposta... O que fazer? Eu não tenho certeza que é menino, na verdade eu sei que pode ser uma menina e tem mãos chances, mas mesmo assim esse teimoso cisma em chamar nossa filha ou filho de Allissa. E se eu vencer essa? O que poderia deixá-lo louco? Já sei... Ele vai ver.
Justin entrou no carro e me entregou o sorvete. Era de limão com cobertura de chocolate. E o dele era apenas de limão. 
Falei: Obrigada amor.
Abri o meu e ele disse após morder o seu: Da próxima vez, sem chocolate.
Revirei os olhos e falei: Eu já pensei na minha condição da aposta.
Ele disse: E qual é?
Sorri e falei enquanto degustava meu sorvete: Se for Brian, três meses sem sexo depois que ele nascer. 
Justin estava boquiaberto, literalmente e disse: Você está louca Seu nome. 3 meses é muito. Isso porque serão praticamente 6 meses, porque quando você já estiver perto de ter o bebê não seria uma boa ideia.
Assenti e falei: Sim, 6 meses então. Topa ?
Ele negou com a cabeça e disse: Óbvio que não. 6 meses é muito pra mim. 
Falei: É a minha condição. Eu aceitei a sua sem reclamar.
Ele disse: Mentira. Você reclamou sim.
Olhei para ele e falei: Mas eu aceitei.
Ele disse olhando-me: Mesmo assim. Você está sendo muito rígida. Isso eu não aceito.
Falei: Então eu já ganhei a aposta, porque o Brian está aqui.
Ele disse: Pode parar com isso. É Allissa. 
Ri e falei: Vai querer apostar ou não?
Ele desfez o sorriso e disse com o rosto fechado: Sim.
Dei um beijo em sua bochecha e falei: Olha pra mim. 
Ele olhou-me pelo canto dos olhos e disse: Não posso, estou terminando meu sorvete. 
Dei vários beijos ainda em seu rosto e virei-o para que me olhasse nos olhos através do queixo. Ele fitou meus lábios e falei: São só 6 meses.
Ele disse aumentando o tom de voz: Só? É quase um ano.
Meu deus, como esse garoto é exagerado. De metade ele passou para um ano, não mereço. 
Falei: Para de ser exagerado. Vai passar rápido. 
Ele assentiu devagar em tom de ironia e tentei beijá-lo, que virou o rosto e falei: Ah, então você vai me evitar?
Ele permaneceu sério e disse: Meu sorvete está derretendo.
Afastei-me dele e falei: Vamos para o aeroporto então.
Ele não se moveu para ligar o carro, e assim que terminou, jogou o palito no lixo do carro e ficou me olhando. Permaneci seria, assim como ele, que disse: Se vamos passar 6 meses sem nenhum tipo de relação, beijos também estão proibidos.
Assim que ele terminou de falar, dei-lhe um selinho e falei ainda próxima: Isso pode?
Ele sorriu de leve e me beijou rapidamente. Fui mais a frente e apoiei com uma das mãos no banco, e com a outra continuei segurando meu sorvete. 
Ele estava com as duas mãos em meu rosto, como se estivesse segurando minha cabeça. 
Afastei-me e falei: Você não consegue.
Ele disse ao ligar o carro: Você também não.
Falei olhando pra ele: Não mesmo. 
Terminei meu sorvete e ele disse: Quando vamos voltar para casa?
Falei: Não sei Justin, tudo depende da doutora. 
Ele disse: Então provavelmente saberemos semana que vem?
Assenti e falei: Sim.
O celular dele tocou e Justin disse enquanto olhava para as rua: Pega no meu bolso e atende pra mim, por favor.
Coloquei a mão por cima do bolso da calca dele, que disse: Mais para cima.
Fui subindo minha mão quase até sua virilha e apertei-a assim que ele riu: Seu nome!
Peguei o celular e falei: É o seu pai.
Atendi e coloquei no viva-voz para que ele pudesse falar com o Jeremy.
Pensa que é esperto. Ficou falando para que eu subisse minha mão por sua perna toda e foi beliscado. 
Justin ficou conversando com o pai até que chegamos no aeroporto e mandei um beijo para ele, que queria saber como eu estava e disse que assim que voltássemos para a Califórnia iria nos visitar.
Assim que desligou, desci do carro e ele abriu a porta de trás, e pegou sua mochila. Colocou-a nas costas e deu a chave na minha mão.
Passou o braço direito em volta da minha cintura e segurei sua mão dobrando-a na barriga.
Entramos no estacionamento e várias pessoas nos encararam. Falei olhando para a frente: Onde você tem que ir?
Ele disse: Para a mesma sala que você me buscou.
Fomos até lá e falei: Aproveita que por enquanto não fomos cercados. Quem vi te levar até o seu jato?
Ele deu os ombros e disse: Um cara que trabalha aqui. Não sei o nome dele.
Dei-lhe um selinho, que me beijou e falou: Quarta estarei de volta. 
Assenti e falei: Se você não sumir de novo, tudo bem. 
Ele disse: Quando você fala assim, até parece que não confia em mim. 
É claro que eu confio nele, mas eu goso de lembrar disso para que ele continue sentindo-se um pouco culpado. 
Falei: Eu confio.
Ele abriu a porta da sala e nos beijamos. Ele me abraçou nas costas e falei: Justin, os papara...
Justin me beijou e disse ainda com seus lábios colados aos meus: Esquece eles.
Assenti e Justin me beijou nos lábios. Passei uma das mãos em seu rosto até sua nuca e com a outra apoiei em seu peitoral. Acabamos nos esquecendo realmente que os fotógrafos estavam aqui, obviamente nos fotografando aos beijos.
Ele se afastou e disse: Eu amo você. 
Falei olhando pra ele: Também amo você. Me ligue assim que chegar.
Ele passou a mão na minha barriga discretamente e sussurrou: Se cuida.
Dei passos para trás e pisquei para ele, qe entrou na sala e fechou a porta.  
Assim que olhei para a saída do aeroporto, os fotógrafos vieram para cima de mim e começaram a me fotografar.
“De quantos meses você está Seu nome?”
“Você e o Justin parecem tão apaixonados”
“Os amigos da sua faculdade conheceram o Justin hoje?”
“Você ainda fala com os seus amigos da Califórnia?”
Falei enquanto caminhava rápido até o carro: Quantos meses? Que absurdo. Não sei do que estão falando. Nós somos namorados, então creio que seja normal. Eles o conheceram hoje sim, e foi tudo muito bom. Com alguns, sim.
Fui até o meu carro e um deles gritou: Já sabemos que você está grávida. 
Gritei de volta: Vocês não sabem de nada.
Ah, gritei mesmo. Quem eles pensam que são para gritar ao mundo que tiraria grávida? Eles não sabem de nada. Quero dizer, eles meio que sabem mas não tem uma confirmação. 
Daqui uns dias eu acabo falando porque não tenho paciência de aturar as perguntas incontáveis deles. Saí de lá e fui para a casa. Dentro de 25 minutos virei na rua de casa e estacionei na garagem. Desci do carro e fui direto para a porta principal com a minha bolsa nos ombros. Abri-a e antes de olhar ao redor já fechei. 
“Você demorou filha”.
Sorri e falei: Eu e o Justin fomos almoçar fora mãe, ai eu o deixei no aeroporto. 
Ela assentiu e disse: Eu sei, mas mesmo assim. Enfim, preciso que você e sua irmã façam o jantar e cuidem da casa.
Falei: Onde você vai?
Ela disse: Eu e o seu pai temos um jantar importante do trabalho dele hoje.
Falei: Então tá. E cadê a Megan?
Ela apontou para a escada e disse: Deve estar no quarto.
Subi as escadas correndo e abri a porta do quarto. Ela estava sentada na cadeira mexendo no notebook e deixei minha bolsa pendurada na porta.
Falei: Preciso da sua opinião.
Ela disse ainda com os olhos vidrados noa tela: Sobre?
Falei: Vira aqui.
Ela olhou-me e disse: Fala mana.
Falei indo até ela: Você acha que o Justin ficaria bravo se eu esperasse mais dois meses para voltar a morar com ele, ele ficaria muito bravo?

                         Continuo na segunda 

Buenas para todas. Fiquei super chateada porque teve pouquíssimos comentários, mas eu postei porque sei que tem gente que lê, mas não da para comentar e tal. Espero que estejam gostando e valeu pelos elogios do cap anterior Hahaha ainda bem que vocês gostaram. Amo vcs. Beijos

12 comentários:

  1. Não tem como vc bota logo segunda-feira qual e o sexo do bebe não,continua pfpfpfpfpfpf

    ResponderExcluir
  2. Hello , nossa , eu tava entrando de 5 em 5 minutos pra ver se você já tinha postado girl hahahah Perfeito Lê , to super curiosa pra saber o sexo do bebê hihih
    conntinuaaaaaaa sua gataaaaaaa iloveyou

    ResponderExcluir
  3. Uuh, que perfeito, continua logo letsssss! /biebsbright

    ResponderExcluir
  4. Lee ta maravilhosa,continua, quero saber o sexo do bebê logo...

    ResponderExcluir
  5. sdds do fredo *-* ñ queria q ela demorasse tanto pra voltar.
    @fuckswagjb

    ResponderExcluir
  6. Curiosíssima aqui ahhhh qual é o sexo do bebê?? ahhhh ñ vou aguentar ,tá perfeita lele *-* bjus -Continua-
    @dudinhagarcia2

    ResponderExcluir
  7. a posta amanhã pfvr não aguem ficar 2 dias sem ler hahah , continua , to anciosa , eu queria q fosse menina , mas não quero q o justin ganhe a aposta ahhaha .

    ResponderExcluir
  8. desculpa não comentar Lele, tava viajando.. Ta perfeito Lee quero que ela ganhe a aposta kkkkkkkkkkk só imaginando a cara dele se ela ganhar!! continuaa beijoos @_soutodinhasua

    ResponderExcluir
  9. le vc vai postar hj ????

    ResponderExcluir